Vol. 25 – Núm. 2 – 2024

Precificação de veículos automotores: além das variáveis hedónicas e da análise do segmento de automóveis

Gabriel Pereira Lopacinski, Carlos Roberto Souza Carmo y Vidigal Fernandes Martins (Brasil)
Publicado Junio 2024
Esta investigação científica teve por objetivo avaliar como fatores relacionados ao mercado de veículos usados poderiam caracterizar como possíveis determinantes do processo de precificação de veículos automotores em geral (caminhões e cavalos mecânicos, caminhonetes, motocicletas e ônibus), com especial atenção à variáveis como combustível, idade, valor de mercado e ano de fabricação, entre outras. Ao utilizar fatores relacionados ao mercado de veículos usados amplia-se a perspectiva analítica, que frequentemente está restrita aos veículos novos; e ainda, ao propor modelos matemáticos diferenciados de acordo com o segmento onde tais veículos encontram-se inseridos, pode-se ampliar a perspectiva analítica para os segmentos dos caminhões e cavalos mecânicos, caminhonetes, motocicletas e ônibus, deixando de se restringir, quase que exclusivamente, ao segmento dos automóveis, sobre os quais são usualmente realizadas as pesquisas acerca dos possíveis determinantes do processo de precificação. Utilizando a análise de regressão linear múltipla, pelo método stepwise, aplicada a uma amostra de dados composta por 1066 observações referentes a veículos automotores classificados em 5 categorias distintas, a presente investigação identificou que os preços dos veículos  no primeiro no ano anterior ao ano de fabricação, ou seja, o preço dos veículos com um ano de uso,  é a variável mais relevante em todos os segmentos analisados, exceto no caso dos preços dos ônibus, cujo valor do veículo após dois anos de fabricação foi mais significativo; sendo que, no caso dos preços dos automóveis e dos preços das motocicletas, o preço do veículo no ano anterior foi a única variável explicativa significativa, entre outros achados.

Análise da interface entre liderança eficaz e comunicação interna em uma organização do noroeste do RS

Tiago Batista da Costa, Silvia Patricia Cavalheiro de Andrade y Claudio Camfield (Brasil)
Publicado Junio 2024
A liderança eficaz e a comunicação são dois temas muito discutidos, atualmente, no ambiente organizacional e muitas vezes estão associadas ao sucesso das organizações, no desempenho das suas atividades e atingimento dos objetivos. Neste estudo, teve-se como objetivo principal analisar a interface entre liderança eficaz e a comunicação na empresa Engesilo Estruturas Metálicas LTDA. A realização desta pesquisa ocorreu por meio da aplicação de um roteiro de entrevista semiestruturada e questionários à população da empresa. Obteve-se o retorno de 44 pesquisados. Utilizou-se também a observação livre não-participante e análise documental. A análise dos dados primários foi realizada por meio de análise estatística simples e análise de conteúdo. A análise dos dados secundários foi realizada por meio da análise documental. Na pesquisa evidenciou-se a existência de uma interface positiva entre liderança eficaz e a comunicação na organização estudada. Tal interface é caracterizada por uma liderança democrática, pela clareza na comunicação, confiança e credibilidade na relação líder e liderados. Por fim, sugere-se, ações para melhorar a estruturação dos processos de comunicação, assim como o fomento dos canais de comunicação formais dentro da organização.

Estudo sobre finanças pessoais e a utilização do cartão de crédito com estudantes de Ciências Contábeis

Samantha Karoline Dantas Fonseca, Adriana Martins de Oliveira, Rosângela Queiroz Souza Valdevino, Saulo Medeiros Diniz y Luciana Batista Sales (Brasil)
Publicado Junio 2024
Este estudo teve como objetivo analisar como os estudantes matriculados no curso de Ciências Contábeis de uma IES pública do município de Mossoró/RN controlam suas finanças pessoais, bem como explorar a relação que possuem com o uso de cartão de crédito. Para atingir o objetivo deste trabalho, foi conduzida uma pesquisa descritiva, utilizando uma abordagem de natureza quantitativa, de levantamento quanto aos procedimentos e transversal em relação ao tempo. A amostra foi composta por 139 discentes do curso de Ciências Contábeis. A coleta de dados ocorreu por meio de um questionário com perguntas fechadas, dividido em três seções: perfil do respondente, finanças pessoais e uso do cartão de crédito. O tratamento dos dados coletados envolveu medidas de frequência absoluta e relativa. Para realizar essas análises, utilizou-se o software Excel. Os achados apontaram que 62,2% dos estudantes possuem algum conhecimento em finanças, mas se sentem inseguros nessa área. Apenas cerca de 40% compreendem totalmente a importância do planejamento financeiro, porém 72,7% têm um planejamento estável, reservando parte da renda para compras planejadas e economias. Quanto ao uso do cartão de crédito, 80,6% possui dívidas ligadas a esse método, mas a maioria (82,1%) paga suas faturas integralmente, utilizando o cartão de forma consciente. O principal motivo para escolherem o cartão como forma pagamento é a possibilidade de parcelamento. Neste sentido, o estudo contribuiu de forma teórica para a literatura sobre educação financeira. Além disso, oferece contribuições práticas e sociais, incluindo a elaboração de políticas públicas, o desenvolvimento de programas de educação financeira.

Relación entre la Inteligencia Emocional y el clima laboral Desde el ámbito administrativo y la gestión del talento humano

Florencia Noemy Sandoval Ortiz Y Christian Augusto Carvajal Fierro (Ecuador)
Publicado Junio 2024
El trabajo se convierte en un segundo hogar debido al alto porcentaje de tiempo que dedican las personas al ámbito laboral. Normalmente los nexos laborales son positivos con sus colegas; aunque, por las diferencias naturales entre compañeros, el clima laboral no será siempre el ideal. Los roces normales creados por la diferencia de caracteres, pueden escalar hasta convertirse en conflictos que podrían desembocar en problemas personales que afecten el entorno. La metodología usada para este documento fue un estudio descriptivo y la aplicación de la técnica de entrevista. El resultado fue la necesidad latente de desarrollar la inteligencia emocional en el equipo de trabajo como acción idónea para mejorar ostensiblemente el clima laboral de una organización. La inteligencia emocional se convierte en una cualidad humana que puede convertirse en el mejor soporte para que una persona lidie con los sentimientos negativos presentes en el diario vivir. Tanto la frustración como el enojo, la impotencia y la desmotivación suelen ser inherentes a las personas y requieren ser toleradas indistintamente de la edad, el grupo social, la ocupación o el género. Una persona emocionalmente inteligente podría tener una vida sencilla y auténtica desde la comunicación efectiva y la empatía, no solo en el clima laboral, sino en todos los ámbitos de su existencia. La discusión se centró, principalmente, los otros elementos que favorezcan una mejora significativa del clima laboral una vez desarrollada la inteligencia emocional. Las señaladas fueron la empatía y la comunicación efectiva.
Publicado en Sin categoría

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

*

Categorías